Ocupação japonesa na Coreia

Olá, pessoal! Todos bem? No post de hoje, decidi trazer um pouco mais sobre a história da Coreia. Para aqueles que se interessam por esse assunto e gostam de dorama, recomendo assistirem Mr. Sunshine (disponível na Netflix), que mostra um pouco da época da ocupação japonesa na Coreia.



Em 1910, a Coreia foi anexada ao Império do Japão após anos de guerra, intimidação e maquinações políticas; o país seria considerado parte do Japão até 1945. Para estabelecer o controle sobre seu novo protetorado, o Império do Japão travou uma guerra total contra a cultura coreana.

Escolas e universidades proibiam falar coreano e enfatizavam o trabalho manual e a lealdade ao imperador. Os locais públicos também adotaram o japonês, e logo se seguiu um decreto para fazer filmes em japonês. Também se tornou um crime ensinar história a partir de textos não aprovados e as autoridades queimaram mais de 200.000 documentos históricos coreanos, essencialmente destruindo a memória histórica da Coreia.

Durante a ocupação, o Japão assumiu o controle do trabalho e da terra da Coreia. Quase 100.000 famílias japonesas se estabeleceram na Coreia com terras que receberam; eles derrubaram árvores aos milhões e plantaram espécies não nativas, transformando uma paisagem familiar em algo que muitos coreanos não reconheceram.

Quase 725.000 trabalhadores coreanos foram obrigados a trabalhar no Japão e em suas outras colônias e, à medida que a Segunda Guerra Mundial se aproximava, o Japão forçou centenas de milhares de mulheres coreanas a viver como “mulheres de conforto” - escravas sexuais que serviam em bordéis militares.

O povo da Coreia não foi a única coisa saqueada durante a colonização do Japão - seus símbolos culturais também foram considerados jogo justo. Um dos símbolos mais poderosos da soberania e independência coreanas era seu palácio real, Gyeongbokgung (경복궁), que foi construído em Seoul em 1395 pela poderosa dinastia Joseon (조선). Logo após assumir o poder, o governo colonial japonês demoliu mais de um terço dos edifícios históricos do complexo, e as estruturas restantes foram transformadas em atrações turísticas para visitantes japoneses.

Como historiador Heejung Kangnotes, o governo imperial também tentou preservar tesouros da história e cultura da arte coreana, mas depois os usou para defender a imagem do Japão imperial de si mesmo como uma força civilizadora e moderna. Essa visão da Coreia como retrógrada e primitiva em comparação com o Japão chegou aos livros didáticos, museus e até mesmo às próprias percepções dos coreanos sobre si mesmos.

O governo de ocupação também trabalhou para assimilar os coreanos com a ajuda da língua, religião e educação. Os santuários xintoístas originalmente destinados às famílias japonesas tornaram-se locais de adoração forçada. O governo colonial fez os coreanos “adorarem os deuses do Japão imperial, incluindo imperadores mortos e os espíritos dos heróis de guerra que os ajudaram a conquistar a Coreia no início do século”, explica o historiador Donald N. Clark.

Essa adoração forçada foi vista como um ato de genocídio cultural por muitos coreanos, mas para os colonos, foi vista como uma evidência de que coreanos e japoneses eram um povo único e unificado. Embora algumas famílias tenham contornado o édito xintoísta simplesmente visitando os santuários e não orando lá, outras relutantemente adotaram as novas práticas religiosas por medo.

Ao final da ocupação da Coreia, o Japão havia até travado uma guerra contra os nomes de família das pessoas. No início, o governo colonial tornou ilegal a adoção de nomes no estilo japonês, aparentemente para evitar confusão nos registros familiares. Mas em 1939, o governo tornou a mudança de nomes uma política oficial. Segundo a lei, as famílias coreanas foram “graciosamente autorizadas” a escolher sobrenomes japoneses.

Pelo menos 84% ​​de todos os coreanos adotaram os nomes, já que as pessoas que não tinham nomes japoneses não eram reconhecidas pela burocracia colonial e eram excluídas de tudo, desde entrega de correspondência até cartões de racionamento. “A questão toda era que o governo pudesse dizer que o povo havia mudado seus nomes ‘voluntariamente ’”, escreve a historiadora Hildi Kang.

Embora o Japão ocupasse a Coreia por uma geração inteira, o povo coreano não se submeteu passivamente ao domínio japonês. Ao longo da ocupação, movimentos de protesto pressionaram pela independência coreana. Em 1919, o Movimento do Primeiro de Março proclamou a independência coreana e mais de 1.500 manifestações eclodiram. Os protestos foram brutalmente suprimidos pelos japoneses, mas não antes do desejo de independência varrer a Coreia.

Mais tarde, grupos clandestinos como o Partido dos Três Mil, um grupo de estudantes que tentou minar os militares japoneses depois de ser convocado para lutar na Segunda Guerra Mundial, foram formados. Os coreanos também protestaram de sua própria maneira silenciosa. Alguns se recusaram a falar japonês ou mudar seus nomes; outros sugeriram nomes que refletiam sua história familiar ou continham uma resistência sutil à política.


A Segunda Guerra Mundial devastou não apenas o Japão, mas a Península Coreana e, em 1945, os Estados Unidos e a URSS capturaram a península e acabaram com o domínio japonês ali. A Coreia foi dividida em duas zonas de ocupação que deveriam ser temporárias. No entanto, um estado unificado nunca foi devolvido ao povo coreano recém-independente. Em vez disso, a Guerra da Coreia estourou entre a metade norte da Coreia, apoiada pelos soviéticos e chineses, e os Estados Unidos e o sul apoiado pelas Nações Unidas.

Após a Guerra da Coreia, a Coreia do Sul se transformou em uma democracia liberal e tentou se livrar dos resquícios do governo japonês. O país processou um pequeno número de colaboradores coloniais imediatamente após a Segunda Guerra Mundial, e algumas de suas terras foram confiscadas. Hoje, as disputas continuam sobre como e se processar aqueles que trabalharam com o governo japonês durante a ocupação.

Enquanto a Coreia do Sul ainda luta com as consequências da ocupação brutal do Japão, ela não esqueceu sua resistência. Hoje, 1º de março - o dia do protesto pela independência em 1919 - é feriado nacional na Coreia do Sul, uma lembrança não apenas da resistência do povo coreano, mas dos anos de ocupação a que resistiram.






Dia da Liberação da Coreia (광복절):


O Dia da Libertação Nacional na Coreia do Sul cai em 15 de agosto anualmente e também é conhecido como ‘Gwangbokjeol’ (광복절), que se traduz como ‘trazer de volta a luz’. Este nome representa o fim das trevas do domínio do Japão sobre a Coreia do Sul. Gwangbokjeol é um dos poucos feriados nacionais compartilhados com a Coreia do Norte, que também celebra seu Dia da Libertação em 15 de agosto. Este feriado é celebrado com festividades, cerimônias e desfiles em todo o país.

O dia em que a Coreia finalmente derrotou seus governantes japoneses é conhecido como Dia da Libertação Nacional da Coreia ou Dia da Independência da Coreia. Em 1945, a Coreia foi finalmente libertada de sua ocupação pelo Japão e, exatamente três anos depois, em 15 de agosto de 1948, a República da Coreia foi oficialmente estabelecida.

Fontes: https://www.history.com/news/japan-colonization-korea

https://nationaltoday.com/liberation-day-south-korea/


#coreia #japão #história #cultura #ocupaçãojaponesa #japãoxcoreia #contextohistórico


7 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo