Os Três Reinos da Coreia

Olá, pessoal! Como estão? Decidi trazer pra vocês um pouco da visão geral de como era os 3 reinos da Coreia no post de hoje, e pretendo fazer posts dedicados a cada reino separadamente em um futuro próximo. Espero que gostem! Boa leitura!



O Período dos Três Reinos da antiga Coreia (57 a.C. - 668 d.C.) é assim chamado porque foi dominado pelos três reinos de Baekje (백제), Goguryeo (고구려) e Silla (신라). Porém, havia também uma quarta entidade, a confederação Gaya (가야) na ponta sul da península coreana. Esses quatro estados estavam em constante rivalidade e, por isso, formaram alianças mutáveis ​​entre si e com as duas potências regionais dominantes, a China e o Japão. Eventualmente, o reino Silla (신라), com a ajuda significativa da Dinastia Tang, viria a dominar e no final do século VII d.C. formaria um único estado, o Reino Silla Unificado.


Visão histórica:


Todos os reinos começaram com tribos locais que se estabeleceram e construíram cidades fortificadas. Em seguida, eles se agruparam para formar entidades políticas únicas. De acordo com uma tradição baseada no Samguk sagi (삼국사기 - Registros históricos dos três estados) do século XII d.C., isso aconteceu a partir do século I a.C., mas os historiadores modernos preferem o século II ou III d.C. (ou até mais tarde) como um data precisa para quando os estados poderiam ser descritos como tendo governos mais centralizados.

No século II a III d.C., Goguryeo (고구려) começou a expandir seu território conquistando os comandantes do norte da China, mas sofreu dois reveses graves em meados do século IV d.C., quando Murong Huang invadiu a China e saqueou Gungnae (국내), levando 50.000 habitantes como prisioneiros (342 d.C.). Então o rei Baekje Guenchogo (백제 근초고), já tendo conquistado a federação Mahan, atacou Pyeongyang (평양) e matou o rei Gogugwon (371 d.C.). Os Baekje (백제) estavam prosperando devido às suas terras agrícolas férteis e fortes ligações comerciais com a China e o Japão através do Mar Amarelo e do Mar do Sul.

A derrota para Baekje (백제) em 371 d.C. levou Goguryeo (고구려) a formar uma aliança com Silla (신라) que estabeleceu as bases para um próspero século V d.C. sob o reinado de Gwanggaeto (광개토) (391-413), que viveu até seu título de 'amplo expansor de domínio' e permitiu que Goguryeo (고구려) dominasse o norte da Coreia, a maior parte da Manchúria e uma parte da Mongólia Interior. Uma nova capital foi construída em Pyeongyang (평양) em 427 d.C., enquanto o sucesso militar continuou quando Hansong (a moderna Gwangju - 광주), a capital de Baekje (백제), foi saqueada em 475 d.C., e o rei Gaero executado.

Baekje (백제) formou uma aliança com o reino Silla (신라) entre 433 e 553 d.C.. Silla (신라), durante o reinado do rei Beopheung (r. 514-540 d.C.), atingiu um grau muito maior de centralização. Tinha uma esplêndida capital em Geumseong (금성) (Gyeongju - 경주) e estava prosperando na costa oriental devido às inovações agrícolas, como arados puxados por bois e sistemas de irrigação, bem como uma abundância de recursos naturais, especialmente ouro e ferro. A aliança Baekje (백제) - Silla (신라), no entanto, não evitou que Goguryeo (고구려) ganhasse o controle de 90% da antiga Coreia.

O período da Cinderela dos Três Reinos foi a confederação Gaya (가야) nas profundezas do sul da península. Ao contrário dos outros estados, nunca se desenvolveu em um reino totalmente centralizado, em parte porque foi espremido por seus dois vizinhos mais dominantes, Baekje (백제) e Silla (신라). Ela se beneficiou de ricos depósitos de minério de ferro, mas em meados do século IV d.C. Gaya (가야) foi atacada por Baekje (백제) e então Silla (신라) flexionou seus músculos e capturou a principal cidade-estado Geumgwan Gaya (Bon-Gaya) em 532 d.C.. Outras cidades Gaya (가야) logo caíram e em 562 d.C. o estado não existia mais.

Enquanto isso, a aliança de Baekje (백제) com Silla (신라) chegou a um fim dramático quando esta ocupou o vale do baixo rio Han. Em 554 d.C., na batalha na Fortaleza de Gwansan (moderna Okcheon - 옥천), Baekje (백제) tentou recuperar seu território perdido, mas seu exército de 30.000 homens foi derrotado e o Rei Seong morto. Essa mudança deu a Silla (신라) acesso à costa ocidental e ao Mar Amarelo, proporcionando a possibilidade de estabelecer maiores ligações com a China.

As coisas ainda estavam indo bem no século VII d.C. para Goguryeo (고구려) quando seu general Eulji Mundeok (을지문덕) obteve uma grande vitória na batalha do rio Salsu (살수) em 612 d.C., derrotando um enorme exército invasor chinês Sui. Mais dois ataques foram derrotados, e uma parede defensiva de 480 km (300 milhas) de comprimento foi construída em 628 d.C., de modo a deter quaisquer outras ambições chinesas. Isso não impediu a Dinastia Tang - ambiciosa de jogar contra eles mesmos esses reinos do sul problemáticos - formar um exército e uma força naval e atacar Goguryeo (고구려) em 644 d.C., mas o grande general Yang Manchun mais uma vez trouxe a vitória para os coreanos.

Goguryeo (고구려) juntou forças com Baekje (백제) contra o Silla (신라) em 642 e d.C. conquistou Daeya-song (atual Hapchon) e cerca de 40 fortalezas de fronteira. Os Tangs não haviam desistido no norte, porém, e mais ataques se seguiram aos quais Goguryeo (고구려), enfraquecido pela necessidade constante de defesa e por suas próprias divisões internas, foi incapaz de resistir. Pyeongyang (평양) foi sitiada em 661 d.C. e 667 d.C. por um exército Tang e, desta vez, a cidade caiu e com ela o estado de Goguryeo (고구려). Em 668 d.C., o rei Goguryeo Bojang (r. 642-668 d.C.) foi removido para a China junto com 200.000 de seus súditos em um programa de reassentamento forçado.

Baekje (백제) não estava se saindo melhor do que Goguryeo (고구려). O reino falhou em tentar a ajuda do Japão e não pôde evitar a queda de sua capital, Sabi, quando atacada por uma força conjunta de Tang e Silla (신라) em terra e no mar em 660 d.C.. Um exército Silla (신라) de 50.000 liderados pelo general Kim Yu-sin (김유신) e uma força naval de 130.000 homens enviada pelo imperador Tang Gaozong provou ser mais do que suficiente para esmagar o exército Baekje (백제). Uija, o último rei Baekje (백제), foi levado prisioneiro para a China, e o reino seguiu o caminho de Gaya (가야) e Goguryeo (고구려). Em 668 d.C., Silla (신라), após lidar com o exército Tang deixado para governar as províncias chinesas nas quais Goguryeo (고구려) e Baekje (백제) se tornaram, estava no controle de toda a Coreia, estabelecendo o que ficou conhecido como Reino Unificado de Silla.


Governo e classes sociais:


Todos os estados neste período tinham um sistema semelhante de governo e organização social. Um monarca governou com a ajuda de altos funcionários administrativos oriundos de uma aristocracia latifundiária. Oficiais nomeados pelo governo administraram as províncias com a ajuda de líderes tribais locais. A maioria da população era formada por camponeses e o estado cobrava deles um imposto, que geralmente era pago em espécie. O estado também pode obrigar os cidadãos a lutar no exército ou trabalhar em projetos do governo, como a construção de fortificações. Na base da escada social estavam escravos (geralmente prisioneiros de guerra ou pessoas com dívidas graves) e criminosos, que eram forçados a trabalhar nas propriedades da aristocracia. A sociedade era rigidamente dividida em classes sociais, resumida pelo sistema de classificação óssea sagrado de Silla (신라), que se baseava no nascimento e ditava as possibilidades de trabalho, obrigações fiscais e até mesmo as roupas que alguém poderia vestir ou os utensílios que poderia usar.


Relações com China e Japão:


Apesar dos conflitos entre a China e os vários estados coreanos ao longo dos séculos, as duas nações eram parceiros comerciais frequentes. Ferro, ouro e cavalos foram para a China, e seda, chá e materiais de escrita vieram na outra direção. Também havia laços culturais estreitos, com os coreanos adotando o sistema de escrita chinês, o título real chinês de wang, moedas chinesas, literatura, práticas funerárias e elementos de arte. Os estados coreanos, tradicionalmente praticantes do xamanismo, adotaram primeiro o confucionismo, depois o taoísmo e o budismo da China, tornando este último a religião oficial do estado.

As relações com os Wa (Wae) do Japão foram particularmente fortes na confederação Gaya (가야). Este último era a cultura mais avançada e exportava grandes quantidades de ferro, mas o quanto um estado influenciou ou mesmo controlou o outro ainda é debatido por estudiosos e obscurecido por preconceitos nacionais. A cultura Baekje (백제) foi exportada para o Japão, principalmente por meio de professores, estudiosos e artistas, que também divulgaram a cultura chinesa, como os textos clássicos de Confúcio.


Arte dos Três Reinos:


A arte do reino Baekje (백제) é geralmente considerada a melhor dos Três Reinos, mas infelizmente para a posteridade, este reino fornece o menor número de artefatos, tendo sofrido a maior destruição graças à guerra e saques. Gaya (가야) e Goguryeo (고구려) sofreram um destino semelhante, especialmente porque suas tumbas tinham entradas de fácil acesso. As tumbas mais fechadas de Silla (신라) foram uma melhor fonte de objetos de arte do período dos Três Reinos.

O grés cinza de alta temperatura foi produzido pelos reinos Baekje (백제), Gaya (가야) e Silla (신라) (a pequena cerâmica Goguryeo (고구려) sobreviveu). As formas típicas são a taça com haste, tigelas com bases largas (kobae), taças com chifres, vasos altos e bulbosos e figuras de vasos representando animais, barcos, templos e guerreiros. A cerâmica foi decorada com incisões, aplicada peças de argila adicionais e cortando a argila para criar um efeito de treliça.

A pintura da tumba é melhor vista nas tumbas de Goguryeo (고구려). Mais de 80 deles têm câmaras decoradas com cenas coloridas da vida cotidiana, retratos dos ocupantes e criaturas míticas. As pinturas foram feitas aplicando a tinta diretamente na parede de pedra ou sobre uma base de gesso.

O trabalho em bronze dourado era um meio típico da região, talvez melhor visto no queimador de incenso Baekje (백제), próximo a Sabi, que representa uma montanha celestial sustentada por um dragão e encimada por uma fênix. A arte budista era popular em toda a península, e o bronze dourado foi usado para produzir estatuetas expressivas de Buda, Maitreya (o Buda vindouro) e bodhisattvas. Os artistas de Baekje (백제) também esculpiram faces de penhascos para representar Buda, como em Seosan (서산). Outro uso do bronze dourado era nas coroas reais, que também eram feitas em folha de ouro, mais famosa pelo reino de Silla (신라). Eles têm árvores e galhos em forma de veado, que representam um elo com o xamanismo. Coroas de ouro e joias de todos os tipos eram feitas usando técnicas de ourivesaria, como fiação e granulação. Jade, muitas vezes esculpido em formas de lua crescente, era uma forma popular de enfeite para esses adornos brilhantes.


Arquitetura de Três Reinos:


Infelizmente, existem poucos edifícios sobreviventes do período dos Três Reinos. No entanto, a arqueologia e as tumbas sobreviventes e suas pinturas de parede permitiram aos historiadores identificar as principais características da arquitetura do palácio e do templo em todo o nosso período. Essas características incluem telhados que se inclinam para fora e para cima nos cantos, colunas de madeira e pedra, divisórias de papel-parede internas, pátios e jardins internos, e tudo colocado em uma plataforma elevada. Combinar harmoniosamente a estrutura com o ambiente natural imediato foi outra consideração importante para os arquitetos coreanos. O templo Miruk do século VII em Iksan (익산) (agora perdido) merece uma menção especial. Construído pelo rei Baekje (백제) Mu, era o maior templo budista da Ásia Oriental e tinha dois pagodes de pedra e um de madeira. Um pagode de pedra sobreviveu, embora com apenas seis de seus 7 a 9 andares originais.

Existem vestígios das muralhas da fortificação de Goguryeo (고구려) que tinham portões e torres de Tonggou, Fushun e Pyengyang (평양). Escavações revelaram que este último também possuía edifícios muito grandes de até 80 x 30 me palácios com jardins que possuíam morros e lagos artificiais. Os edifícios foram decorados com telhas impressas com desenhos de flores de lótus e máscaras de demônio.

Observatório Cheomseongdae (첨성대)

Uma estrutura incomum é o observatório Cheomseongdae (첨성대) de meados do século VII d.C. na capital de Silla (신라), Gyeongju (경주). Com nove metros de altura, funcionava como um relógio de sol, mas também tinha uma janela voltada para o sul que capta os raios do sol no piso interno de cada equinócio. É o mais antigo observatório sobrevivente na Ásia Oriental.

Tumbas abundam, com mais de 10.000 somente de Goguryeo (고구려). Estes primeiro tomaram a forma de marcos construídos com pedras do rio (Goguryeo - 고구려) ou fossos colocados em montes naturais (Gaya - 가야 e Silla - 신라), depois pirâmides de blocos cortados e, finalmente, montes de terra dentro dos quais foram construídas câmaras de pedra (ou tijolo no caso de Baekje - 백제), que todos tinham uma entrada horizontal, exceto aqueles do Silla (신라) que não tinham entrada. As tumbas mostram várias características arquitetônicas, como telhados com mísulas, pilares octogonais e portas de pedra pivotadas. Uma das maiores dessas tumbas de montículo, na verdade composta de dois montes e contendo um rei e uma rainha Silla (신라), é a Grande Tumba de Hwangnam. Datado do século V - VII d.C., mede 80 x 120 m, e seus montes têm 22 e 23 m de altura.


Tumba de Gwanggaeto (광개토)

Outro exemplo famoso está em Gungnae (a moderna Tonggou), considerada como sendo o do rei Goguryeo Gwanggaeto, o Grande (r. 391 – 412 d.C.). Com 75 metros de comprimento e blocos de 3 x 5 metros, possui também quatro estruturas menores em forma de dolmen em cada canto. Finalmente, a tumba do rei Baekje Muryeong-Wang merece menção, pois dentro de seu enorme monte de terra há uma abóbada semicircular revestida com centenas de tijolos moldados, muitos decorados com flores de lótus e desenhos geométricos. A estrutura, localizada perto de Gongju (공주), data de 525 d.C., conforme indicado por uma placa de inscrição dentro da tumba.

Fontes: https://www.worldhistory.org/Three_Kingdoms_Period_in_Korea/


#históriadacoreia #reinos #cultura #história #os3reinos #antiguidade


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo